sábado, 23 de dezembro de 2017

A estafada teoria do partido mais votado


Em resposta à proposta de diálogo emitida por Puigdemont, desde Bruxelas, onde está exilado, Rajoy disse que apenas está disposto a conversar com quem venceu as eleições na Catalunha "que é a senhora [Inés] Arrimadas", a cabeça de lista do partido anti-independência Cuidadanos que garantiu mais deputados no parlamento catalão.
Diário de Notícias

A estafada teoria do partido mais votado

Perante os resultados das eleições da Catalunha - em que, politicamente, e segundo o jornal PÚBLICO, o grande vencedor foi  Carles Puigdemont (ver aqui) - a declaração do primeiro-ministro de Espanha, Mariano Rajoy, parece querer reeditar a teoria conspirativa de Passos Coelho, sobre o partido mais votado, teoria que não se enquadra nas leis eleitorais dos dois respectivos países ibéricos e que os partidos que lideram aprovaram há meio século, consagrando o sistema proporcional, no apuramento dos resultados.
Quando os resultados não lhes são favoráveis, recorrem à batota do falacioso argumento do número de votos.
É certo que, aritmeticamente, o partido Cidadanos (anti-independência) obteve mais votos  (25,3%) e elegeu mais deputados (37), resultados estes muito pouco superiores aos obtidos pela coligação “Juntos pela Catalunha”, de Puigdemont (21,6% de votos e 32 deputados.
Mas o que realmente importa, para formar um governo, é encontrar o partido que consiga uma maioria estável no parlamento, negociando o apoio de outros partidos com identidades políticas próximas. E, no rescaldo destas eleições da Catalunha, é a formação política de Puigemont que está em melhores condições de alcançar este desiderato. Ao aglutinar o apoio da Esquerda Republicana Catalã e do CUP, Puigdemont assegura uma maioria parlamentar, com 70 deputados. Por sua vez, os partidos anti-independência apenas podem contar com 65 deputados. Por isso, foi  Puigdemont o vencedor destas eleições.
Alexandre de Castro
2017 12 22