segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Governador do Banco de Portugal não se demite


Governador do Banco de Portugal não se demite

O governador do Banco de Portugal (BdP) não se vai demitir apesar das pressões do governo e do Partido Socialista (PS).
Carlos Costa está decidido a resistir às críticas e acusações de que tem sido alvo, tanto por parte do primeiro-ministro como de Carlos César, líder do grupo parlamentar do PS, diz o “Diário de Notícias”.
O conflito ameaça chegar ao Banco Central Europeu (BCE) e Mário Draghi pode intervir se estiver em causa o estatuto de independência do governador, refere o “Jornal de Negócios”.

***«»***
No auge do tempo do fascismo salazarista, existia uma palavra de ordem que era ensinada aos lusitos da Mocidade Portuguesa, e que era assim:
Quem Manda? Salazar... Salazar... Salazar... 
Hoje, a palavra de ordem poderia ser:
Quem manda? Europa... Europa... Europa...

Para redimir o conflito, que estalou entre os dois Costas, o António, primeiro ministro, e o Carlos, governador do Banco de Portugal, não serão chamados a intervir nem a Assembleia da República, nem o Presidente da República, nem os tribunais portugueses, porque neste caso (e em outros, também) estes órgãos de soberania já não mandam nada. Em última instância, ao que ao Banco de Portugal diz respeito, quem manda é o BCE (Banco Central Europeu). É o senhor Mario Draghi quem pode "botar faladura" e proferir a decisão final e definitiva.
Julgo que a isto se chama "perda de soberania". Ou não será assim?