terça-feira, 21 de maio de 2013

Poema: Sem título – por Sónia M

Imagem selecionada pela autora

Poema sem título 

Pousámos juntos na margem.
Despimos as asas
e decidimos ser árvore.
Antes que a voz te morresse na garganta,
perguntaste - Para sempre?

Percebi assim a importância das estações
e soube ainda,
que não havia outro céu,
a não ser aquele,
que acabáramos de enraizar à terra...

Sónia M

Nota: É o instante, o que Sónia M capta neste poema. O instante do momento de um ato e de uma jura de amor, resolvido em duas ou três metáforas significativas, que transmitem a dimensão do poema, cuja densidade poética é encontrada através do recurso hábil aos elementos da Natureza, "árvore", "estações" e "terra", bem enquadrados literáriamente. 
Uma palavra para a excelente imagem, que é de uma beleza e de uma grandiosidade, e que nos esmaga. A profundidade é definida pelas duas solitárias árvores a aparecerem em atitude de desafio no limite do horizonte e por aquele céu ameaçador, que parece não ter fim.
AC

A “poeta” Sónia M colabora neste blogue, publicando-se um poema seu, às terças-feiras.