terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Poema: Quando menos me esperas... - por Sónia M


Quando menos me esperas...

Não sei chegar quando me esperas,
nem beijar-te quando me pedes.
Se me exiges palavras,
a minha boca se fecha e a língua se aquieta.
Há algo de mágico quando chego de mansinho
e em ti sinto a fadiga da minha ausência
e o desespero da saudade.
É aí, que o beijo que trago preso nos dedos,
se liberta e o aninho no teu peito,
as palavras que nos abraçam no momento,
fazem saltar o brilho da criança que ainda guardas.
Incendeias o céu com a luz de muitos sóis,
que guardo nos olhos, até ao próximo encontro.
Sónia M

Poema oferecido pela autora ao Alpendre da Lua.

O meu comentário: Cada novo poema da Sónia já não me surpreende... Encanta-me, apenas!... O universo poético da Sónia fica enriquecido com mais este poema, de imagens poéticas fortes e envolventes. Destaco a agilidade operativa que se percebe na construção deste verso, que amplia a dimensão da metáfora: "e em ti sinto a fadiga da minha ausência".
Obrigado, Sónia.
http://soniagmicaelo.blogspot.pt/2013/01/quando-menos-me-esperas.html