segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Poema: A manhã traz sempre o teu nome - por Sónia M


A manhã traz sempre o teu nome

Invade-me as pernas
Instala-se no ventre.
Respiro-o,
como melodia que se aninha
em todos os sentidos
e a cada pensamento.
É pela manhã,
que te sopro o meu corpo despido.
Embrulho-o em papel
e entrego-o ao vento
que o deposita no teu colo,
aos pedaços.
Reconstróis assim, o meu corpo frágil
na urgência de o teres por inteiro
a repousar no teu leito.
No desejo daquele instante,
em que as nossas vidas se cruzam
e se fundem,
longe do son(h)o da noite.
E o dia começa no segundo
em que me contemplas e (quase) tocas.
Com o teu nome a queimar-me a língua
e os lábios que se abrem...já em chamas.

(Sopro-te um beijo com o teu nome)

Sónia M