domingo, 4 de dezembro de 2011

O problema estatístic​o - o síndroma dos 80% - por Olímpio A. Alegre Pinto

 O mundo é feito de génios e de idiotas
"A principal causa da desgraça dos portugueses... é a falta de pundonor, que lhes assiste desde 1.580 ! "
( Autor desconhecido - década de 20 do século XX ).

Mas há mais! Muito mais!! - Quando se pretende ir ao fundo, ao verdadeiro cerne das questões, encontra-se, sempre, sempre, o problema das mentalidades e o problema cultural.
Foi recolhida amostra, considerada suficiente, e foi aplicada a metodologia científica recentemente preconizada pelo M.I.T. Foram utilizados dois computadores GRAY de última geração!
Na análise efectuada, calcularam-se todas as equações diferenciais parciais Leibnitzianas de 5ª ordem, bem como as séries geometrizadas de ordem (n!), aleatórias, de Fourier, aplicadas à Teoria da Probabilidade Algorítmica de Solomonoff. O estudo, exaustivo, prolongou-se por quatro anos. Chegou-se à seguinte  conclusão:
Assim sendo, verifica-se que:
A questão mor, é "meramente" estatística: sofre-se do síndroma dos 80%!
Veja-se: 80% da "malta" é : ou ignorante, ou incompetente, ou mesquinha, ou invejosa, ou gosmenta, ou  gulosa, ou aldrabona, ou vigarista, ou desonesta, ou chico-esperta, ou filhadaputa, ou sacanóide, ou hipócrita, ou carneirenta, ou preguicenta, ou verborrenta, ou cobardola, ou acagaçada, ou subserviente, ou absolutamente incapaz, ou ... simplesmente inconsciente, ou ... ... (A propósito da estupidez humana, vidè o excelente ensaio sobre a matéria, do muito optimista:
Carlo M. Cipolla, na sua obra "Allegro ma non troppo").
Decorrente da análise estatístico-combinatória integrada, concluiu-se que, dos 80% referidos, 80% possuíam, pelo menos, duas daquelas características.
As restantes, cumulativamente, distribuiam-se segundo a normal de Gauss, de sinus baixo, pico qualitativo, média e moda no medíocre menos, tendendo para o mau, prospectivamente para o péssimo, e, assintoticamente, para o zero absoluto; ( a raíz quadrada da variância é de valor desprezável). A decorrente corolária é imediata:
Uma só das características constatadas, não sendo, obviamente, desejável, é, na prática, humanamente, (nada é perfeito), inócua ou sustentável ( são "só" 20%). O que fazer, então, no referente aos 80% (dos 80% da amostra inicial) que possuem duas, três, quatro, cinco, ... das derrotantes características detectadas? Não se encontrou, sequer, qualquer indicador de uma possível solução, tal a vastidão, complexidade, profundidade e elevadíssima entropia do problema!
No entanto, face à angústia, foi "encontrado" um possível (?) caminho lógico, racional, afinal intuitivo, e, como não podia deixar de ser, "simples" : o Espírito, a Força e o Pundonor (não esquecendo NUNCA o Coração) dos restantes 20% da amostra inicial que, ausentes das características elencadas, possuem as suas contrárias! São estes, os bons e os muito bons, (o último excelente morreu irreconhecido, na companhia de um único amigo, a dez de Junho de mil quinhentos e oitenta), são estes, repito, que terão a Missão, extremamente difícil mas muito honrosa, de TRANSFORMAR, mobilizar, motivar, unir, encorajar ... Todos... para ser vencida a batalha contra o inimigo difuso, baço e semi-escondido, tão melífluo como traiçoeiro e tão presente como putativamente eficaz.

"Disposições finais", mas não transitórias: a amostra, além de suficiente, foi muito alargada - era pretendida uma conclusão global.
No entanto, paralelamente, aprofundaram-se estudos específicos sobre várias classes, profissionais e não só. Uma delas foi a dos "políticos". As conclusões foram muito elucidativas, embora, para alguns, não surpreendentes: não se verificou a "regra" dos 80% - nela, atingiu-se a espantosa cifra dos 95%(!!!). Corolário imediato, aliás, muito conhecido : "A culpa é sempre, sempre, dos dirigentes!"... ... De entre os estudiosos, no final, alguém  perguntou: "será um anátema??!!"
Excelso Poeta português disse um dia, certamente com inspiração Divina:
"O melhor do Mundo são as crianças!" Alguém, terrena mas acertadamente, terá dito: "E a seguir são os animais!".
Olímpio A. Alegre Pinto