segunda-feira, 18 de julho de 2011

Anotação do Tempo: Dissertação sobre a metáfora das galáxias…


Dissertação sobre a metáfora das galáxias…

No dia em que me disseste
que o teu sangue tinha cardos
as minhas mãos tremeram
ao segurar o teu olhar
vidrado pelos espelhos
uma fractura rasgou o medo
que me devorava as entranhas
e acabei por ligar o silêncio
adiei a viagem sem regresso
já marcada sem o teu consentimento
porque tu já esgotaras todos os infinitos
macerando o corpo em convulsões contínuas
como se a vida estivesse à beira do abismo
onde querias cair comigo
peguei novamente no teu olhar
que se colou a mim
e alimentei a tua fúria de viver
entendeste finalmente a metáfora das galáxias
quando escreveste o teu poema redentor
e limpaste as impressões digitais do teu passado.
Alexandre de Castro
http://ponteeuropa.blogspot.com/2010/09/momento-de-poesia_17.html

4 comentários:

Sónia G. Micaelo disse...

Adorei Alexandre.
O seu poema parece falar de uma das minhas memórias. Os melhores poemas são mesmo esses, os que nos conseguem ler.
Um abraço
Sónia

Alexandre de Castro disse...

Obrigado, Sónia, pelas suas amáveis palavras.
Acabou por exprimir uma definição de poesia.
Um abraço
Alexandre

Alexandre de Castro disse...

Comentário retirado do Facebook:
Carla Gomes disse: Gostei muito Alexandre de Castro.Exprimes o sentido de alma exposto e transformado em palavras.Poesia é isso...ora livre e sentida, ora expressa em metaforas de memórias e de vida.Beijinho

Alexandre de Castro disse...

Obrigado, Carla Gomes. Para mim, a poesia é sempre uma transgressão da realidade.