terça-feira, 21 de setembro de 2010

Anotação do Tempo: Dissertação sobre a casa do pai...

Amadeo de Souza-Cardoso

Dissertação sobre a casa do pai…

À memória de meu pai

Era a casa do pai,
desde que ele morreu,
a árvore do quintal
nunca mais foi regada
o cão recusou-se a sair
e apareceu enforcado no varandim,
não sei se por tristeza
ou porque, entretanto, enlouquecera,
o violino ficou como estava
depois da última valsa
uma das cordas continua partida,
os livros, nas estantes de castanho,
parecem ser eternos
a alimentar a voracidade das traças
e eu nunca cheguei a saber
se toda aquela sabedoria encaixotada
a forrar paredes e os vãos das escadas
não significava apenas
a volúpia de um ócio ancestral
como se fosse um culto profano,
e, naquele labirinto,
nem sequer a luz do dia
varria as sombras de todos
os passados que por ali viveram
e de que a genealogia falava
só os fantasmas, ainda vivos,
deambulavam aos tropeções
pelo sótão,
nas noites de temporal
ou quando fazia frio,
e era nesses momentos
que eu tinha medo
de ficar só.

Alexandre de Castro

Sem comentários: