quinta-feira, 3 de junho de 2010

Anotação do Tempo: Recolho o lume dos teus olhos...


Recolho o lume dos teus olhos…

Recolho o lume dos teus
olhos tristes
nesta fotografia emoldurada
que enviaste, para meu alento.
É com esse lume que acendo
a minha memória dorida
pela distância que nos separa
e que tu não queres percorrer
com medo de te perderes
num caminho incerto
e sem regresso.
Talvez, esta seja a imagem
de um rosto seco
que acabou de chorar
por já não entender o gesto de um beijo
e de um afago
e o seu preço em amor dado,
nem o caminho traçado
por um abraço
que adoce o teu corpo atormentado.
Talvez, esse lume dos teus olhos
se reacenda outra vez
nas noites ácidas de solidão
quando me desejares em segredo
lendo os meus poemas,
com medo.

Alexandre de Castro